Proteja a Inteligência e Memória

Conselhos para melhorar o rendimento mental

Quanto melhor for a dieta do indivíduo, maior será a probabilidade de assegurar o normal funcionamento da atividade cerebral. O cérebro necessita de cerca de um quinto de calorias ingeridas e utiliza quase 25% do oxigénio produzido. É o primeiro órgão a ser alimentado, o que significa que, se não lhe for fornecida a alimentação suficiente, irá roubá-la aos órgãos, até porque não armazena reservas, sendo alimentado através do sangue. Apesar do cérebro precisar de energia, isso não significa que se deva abusar de açúcares de rápida absorção, que entram logo na corrente sanguínea e acabam por ser armazenados como gordura. Devem privilegiar-se açúcares de absorção lenta, isto é, hidratos de carbono complexos, que, ao libertar quantidades mínimas de glicose, saciam as necessidades energéticas dos neurónios.

O cérebro necessita também de gorduras, p.ex ácido oleico, presente no azeite, que previne a hipercolesterolemia e a aterosclerose. Já os ácidos gordos polinsatutados, como os ómega-3 e 6, presentes nos óleos de soja, nos peixes gordos e nos frutos secos, protegem as membranas celulares e contribuem para reforçar a memória e as funções mentais.

As proteínas são agentes de transmissão dos impulsos nervosos e as vitaminas são responsáveis pelas reações químicas no interior das células. O potássio e o sódio participam na transmissão nervosa; o ferro evita uma deficiente oxigenação cerebral e a anemia; o magnésio é um bom calmante; e o zinco é indispensável ao funcionamento do paladar e do olfato.

Para um cérebro em forma, eis os alimentos a consumir:
Frutos Secos (avelãs, amêndoas, nozes, amendoins, passas de uva, figos, ameixas secas, alperces e pevides possuem um elevado efeito antioxidante e dão uma boa fonte de gorduras polinsaturadas)
Azeite (ótimo substituto do óleo e da manteiga, é rico em gorduras monoinsaturadas e um potente agente antioxidante)
Fruta (fonte de vitaminas)
Peixe
Pão, arroz, massa e cereais de pequeno-almoço
Marisco
Vegetais de folha verde (combatem as inflamações que podem danificar os neurónios e garantem o afluxo certo de oxigénio ao cérebro, uma vez que são ricos em antioxidantes e ácido fólico)
Leticina (indispensável à manutenção e à reparação das células nervosas e do cérebro)
Soja (o consumo regular garante uma mente desperta, rapidez de aprendizagem e recordações nítidas)
Levedura (integre-a na alimentação, pois tem um efeito desintoxicante geral)
Alho (protege o corpo contra o perigo de trombose e aterosclerose, uma vez que é um antioxidante e um antibiótico natural)
Ginseng (em chá, em xarope ou em suplementos, melhoram a capacidade de concentração, de memorização e aprendizagem)
Água

Cuide de si!